Menu

Barroca Zona Sul: confira a sinopse do enredo "Bakhita"

29 JUN 2015
29 de Junho de 2015

Com a responsabilidade de abrir os desfiles do Grupo de Acesso em 2016, a tradicional Barroca Zona Sul levará para o sambódromo do Anhembi no domingo de Carnaval o enredo "Bakhita".

De autoria do filósofo, teólogo e Bacharel em Relações Internacionais, Wagner Augusto Silveira, o tema que foi selecionado entre mais trinta opções de enredo, trata de Josefina Bakhita, sudanesa, primeira santa cristã negra dos tempos atuais.

O concurso para escolha do samba-enredo está aberto a compositores de qualquer parte do Brasil. As eliminatórias serão realizadas em duas etapas. No primeiro momento, os cortes serão feitos através de audições internas.

Em sistema de eliminatórias, serão definidos três sambas finalistas que irão se apresentar para a comunidade em ocasião especial. A comissão julgadora definirá o campeão.

* PREFÁCIO

A Faculdade do Samba Barroca Zona Sul agremiação carnavalesca da cidade de São Paulo, vem por meio de sua diretoria executiva e comissão de Carnaval apresentar neste documento o seu enredo para 2016 "BAKHITA".

Pelas características tradicionais e de vanguarda no carnaval paulistano, a Barroca procurou na escolha deste enredo:

- Um tema novo, enredo ainda não apresentado no Carnaval.

- Abordagem de um enredo com essência de uma África muçulmana, pouco explorado no carnaval, pois na maior parte dos casos os temas afros são desenvolvidos ao sincretismo de Orixás.

- Abordagem de uma escravidão moura e no velho mundo. Assunto também pouco explorado no carnaval, pois na maior parte os temas de escravidão são de navio negreiro português,

- Observamos desde o início da história de "BAKHITA" (de criança até sua vida adulta) sua predestinação na fé, sua intuição, carisma, devoção e após obter sua liberdade optou por manter a sua vida como uma mulher dedicada à caridade absoluta.

- Outro ponto que chama bastante atenção em sua história, é que embora sua trajetória de vida tenha acontecido no norte africano e Europa a até então madre sempre teve muitos adeptos no Brasil. Além da mesma ter sido canonizada pelo Vaticano por um milagre que aconteceu na cidade de Santos, litoral paulista.

1 - INTRODUÇÃO

Meu canto hoje ressoa em exaltação a ti, filha predileta da África. Menina "sem nome", Escrava maltratada, mulher livre, freira humilde, enfermeira prestativa, Santa reconhecida, onde a sua saga do coração da África oriental, sudanesa no sangue, para os altares cristãos. A FACULDADE DO SAMBA BARROCA ZONA SUL te exalta ‘Josefina Bakhita’.

"... ainda embrião, teus olhos me viram e tudo estava escrito no teu livro, meus dias estavam marcados antes que chegasse o primeiro..." (Salmo 136,16).

É Impossível não se encantar com a trajetória de vida de Santa Bakhita. Tudo em sua vida é manifestação divina, é o próprio Deus dirigindo seus passos até mesmo nos cruéis anos de escravidão. Bakhita É um pouco anjo, um pouco criança, grande mulher, que foi elevada à honra dos altares pelo caminho da obediência, da simplicidade, DO AMOR E DO PERDÃO.

"Da aldeia africana aos altares cristãos: Josefina bakhita, meu canto de exaltação".

2 - SINOPSE

Bakhita nasceu em 1869, em uma abastada família de Olgossa, aldeia situada na região de Darfur, oeste do Sudão, na África. Desde pequena foi considerada um espírito da natureza, sendo coroada em sua tribo, recebendo um amuleto que carregaria o resto de sua vida. Aos sete anos foi raptada por traficantes árabes de escravos. Sendo obrigada a vagar pelo deserto. Foi vendida e revendida diversas vezes nos mercados de escravos em Cartum, capital do Sudão. O trauma provocado pelo rapto levou-a a esquecer de seu próprio nome e o nome pelo qual a conhecemos foi dado pelos próprios traficantes de escravos (bakhita, termo árabe que significa sortuda; afortunada).

A filha predileta da África sofreu muitas brutalidades durante o cativeiro. a mais aterrorizante lembrança foi de um oficial turco, que mandou marcá-la por meio de cortes e tatuagem. sofrendo tortura psicológica e física, como as 114 marcas no corpo que carregou por toda vida.

Seu último senhor foi um diplomata italiano no Sudão, Callisto Legnani. Que a comprou e levou-a para a Itália, onde foi dada de presente à família Micheli. Bakhita tornou-se babá da filha de Michieli. Em 1889 Bakhita e a filha do casal foram deixadas no Instituto das ‘Irmãs de Canossa’, em Veneza, enquanto a família Michieli se mudou, a negócios, para a África.

Quando os Michieli voltaram para buscá-las, Bakhita, não quis acompanhá-los. A Sra. Michieli tentou forçar a situação, mas Um tribunal italiano decidiu que, como a lei italiana não reconhecia a escravidão, ela, na verdade, jamais havia sido escrava. Agora Bakhita atingia a maioridade e com a sonhada liberdade. Pela primeira vez na vida, controlando seu próprio destino, escolheu permanecer no Instituto das ‘Irmãs de Canossa’. Lá foi batizada como JOSEFINA MARGARIDA BAKHITA.

Em 1896 Bakhita juntou-se permanentemente às irmãs e, em 1902, foi designada para um estabelecimento religioso em Schio, na província de Vicenza, norte da Itália, onde passou o resto da vida. Durante os 45 anos de permanência em Schio, foi, habitualmente designada, para exercer a função de cozinheira e porteira. Assim, estava em frequente contato com a comunidade local. Sua gentileza, a voz calma, o constante sorriso se tornaram muito conhecidos e os moradores de Vicenza, até hoje, a ela se referem como a nossa "MADRE MORENA". Na primeira guerra mundial cuidou, no hospital da cidade, dos soldados feridos em combate e, durante a segunda guerra, a população não temia os bombardeios porque acreditava que sua "Madre Negrinha" cuidava da cidade, por ali viver. Curiosamente nenhuma bomba caiu sobre a cidade.

Seu carisma especial e sua reputação de santidade a tornou famosa em toda a Itália. Seus últimos anos foram marcados pela dor e pela doença, mas ela conservou suas boas disposições e, sempre que lhe perguntavam como estava se sentindo, Bakhita sorria e respondia: "como o Senhor deseja".

Em seus derradeiros dias, suas recordações se voltaram para os anos de escravidão e, em delírio, ela gritava: "Por favor, afrouxem os grilhões… eles são tão pesados". JOSEFINA BAKHITA morreu no dia 8 de fevereiro de 1947. Durante três dias seu corpo ficou exposto e milhares de pessoas foram prestar-lhe a última homenagem. Seu corpo foi encontrado incorrupto após mais de 50 anos, estando na igreja das freiras onde ela viveu.

Em 17 de maio de 1992 foi declarada Beata e o dia 8 de fevereiro foi designado como o dia de sua festa. Em 1o de outubro de 2000 foi canonizada e tornou-se ‘Santa Josefina Bakhita’. O milagre que permitiu ela ser declarada santa no ano 2000 aconteceu na cidade de Santos - SP. É venerada como uma santa africana moderna e como santa da escravidão e da opressão. Foi proclamada ‘santa padroeira do Sudão’.

‘SANTA JOSEFINA BAKHITA, ROGAI POR NÓS!’

3 - DESENVOLVIMENTO

3.1 - PRIMEIRO SETOR: DO VENTRE AFRICANO À ESCRAVIDÃO

Bakhita, a ‘Filha predileta da África’, nasceu no Sudão, região de Darfur, no ano de 1869. Sua aldeia natal é Olgossa, De família abastada, seu pai possuía terras, plantações e gado e sua família era composta pelos pais e irmãos, sendo muito unidos e afeiçoados.

Ainda criança, em uma de suas aventuras, a ‘Flor Africana’ se deparou com o rei da selva, o leão e, no entanto, nada aconteceu, pois em meio ao medo sua fé foi maior... E assim disse o feiticeiro da aldeia: "o leão te reconheceu, o espirito da natureza está com você, eis um ser muito especial". Para comemorar o acontecido, em sua aldeia ocorreu uma festa, um ritual, no ventre de uma África de mistérios e magias onde a menina foi coroada com um amuleto feito da pelagem do leão. Amuleto que a acompanhou o resta da vida.

Todos na aldeia estavam sujeitos ao grande perigo que eram os bandos negreiros que 'raptavam' homens, mulheres e crianças para negociarem no mercado de escravos na capital do Sudão, Cartum. Bakhita não foi o nome que recebera dos pais quando nasceu. No ano de 1876, com sete anos de idade, foi raptada e arrancada do seio de sua família. A pequena menina tomada de pavor foi levada brutalmente por árabes negreiros, e foram eles que impuseram o nome de "Bakhita", que significa: ‘afortunada’, ‘sortuda’. Essa pequena africana conheceu as humilhações, os sofrimentos físicos e morais da escravidão, sendo negociada por várias vezes. A terrível experiência e o susto, provado naquele dia, causaram profundos danos na sua memória, inclusive o esquecimento do próprio nome.

A ‘menina sem nome’, depois de um mês de num cativeiro, foi vendida a um mercador de escravos. Na ânsia de voltar para casa, Bakhita se arma de coragem e tenta fugir, Porém, foi capturada e posteriormente vendida a outro árabe, homem feroz e cruel, que, por sua vez, revendeu-a a outro mercador de escravos.

Novamente ela é vendida, agora a um general turco, cuja esposa era mulher terrivelmente má. Desejou marcar suas escravas e Bakhita estava entre elas. Sofrimento que Bakhita passou segundo seu próprio relato: "Uma mulher habilidosa nesta arte cruel (tatuagem) veio à casa principal... nossa patroa colocou-se atrás de nós, com o chicote nas mãos. A mulher trazia uma vasilha com farinha branca, uma vasilha com sal e uma navalha. Quando terminou de desenhar com a farinha, a mulher pegou a navalha e começou a fazer cortes seguindo o padrão desenhado. O sal foi aplicado em cada ferida... Meu rosto foi poupado, mas seis desenhos foram feitos em meus seios, e mais sessenta em minha barriga e braços. Pensei que fosse morrer, principalmente quando o sal era aplicado nas feridas... foi por milagre de Deus que não morri." Foram 114 cortes no corpo de Bakhita. Marcas que carregou no corpo e na alma.

No ano de 1882, na capital do Sudão, o general turco vendeu Bakhita ao Consul Italiano no Sudão, Callisto Legnani que seria, para ela, seu anjo bom e quem depois a levou consigo para a Itália. Na casa do cônsul, Bakhita conheceu a serenidade, o afeto, os momentos de alegria e, com isso, lembranças dos momentos felizes na casa dos pais.

3.2 - SEGUNDO SETOR: NA TRAVESSIA DO MEDITERRÂNEO. UMA NOVA VIDA

Durante a travessia para a Itália, Calisto Legnani entregou Bakhita à família de um amigo, o Sr. Augusto Michieli, que residia em Veneza, cuja esposa lhe tinha afeiçoado. Bakhita se tornou babá de Mimina, a filhinha do casal Michieli. Como sempre, Deus tem seus caminhos e acabou colocando no caminho de Bakhita, o administrador dos Michieli, Iluminato Chechini. Os negócios desta família, na África, exigiam que retornassem. Mas, aconselhado pelo administrador, o casal confiou a filha Mimina e Bakhita ao Instituto das Irmãs da Congregação de Santa Madalena de Canossa. Ali, Bakhita, conheceu o Evangelho. Iluminato era um homem muito religioso e logo se preocupou com a formação religiosa de Bakhita e, ao dar um crucifixo a ela, disse em seu coração: "Jesus, eu a confio a ti". Bakhita iniciou a catequese para receber os sacramentos católicos, no Instituto das Irmãs.

Ao final de nove meses, a Sra. Michieli voltou à Itália para buscar sua filhinha Mimina e aquela que considerava sua escrava, pois retornariam à África. Naquele instante, Bakhita já apaixonada por Jesus, prestes a receber os sacramentos, recusa-se a voltar para a África, apesar do afeto que nutria pela família Michieli e principalmente pela pequena Mimina. Sentia em seu coração um desejo inexplicável de abraçar a fé e vivê-la para sempre. Apesar dos apelos e até ameaças da Sra. Michieli, nossa jovem africana não cedeu. Um tribunal italiano decidiu que, como a lei italiana não reconhecia a escravidão, ela, na verdade, estava livre. Sua patroa retornou à África com sua filha e Bakhita prosseguiu com sua catequese, feliz, mesmo sabendo que seria a última chance de rever seus familiares na África.

No dia 09 de janeiro de 1890, tendo ela vinte e um anos, Bakhita é batizada, crismada e recebe a 1° comunhão das mãos do Patriarca de Veneza, Cardeal Agostini. No batismo recebe o nome de Josefina Margarida Bakhita. Ela escreveria este dia como mais feliz de sua vida: "sentir-me filha de Deus é uma emoção inigualável, assim como receber Jesus na eucaristia é o Céu na Terra". Queria tornar-se ‘Irmã Canossiana’ para servir a Deus, que lhe havia dado tantas provas do seu amor.

Depois de sentir com muita clareza o ‘chamado’ para a vida religiosa, em 1896, Josefina Bakhita consagrou-se para sempre a Deus, a quem ela chamava com muito carinho de "o meu Patrão!". Irmã Bakhita, em sua infância na África, mesmo sem saber nada de Deus, pensava em seu coração inocente e puro, quando olhava a lua e as estrelas: "Quem será o patrão de todas estas coisas?". Oh! Bakhita, Deus já estava te preparando para Ele!

Josefina Bakhita vai para a ‘Congregação das Filhas da Caridade Canossianas’, ‘Servas dos pobres’, aceita por Superiores da Congregação que foram favoráveis a ela e, depois de três anos de noviciado, no dia 08 de dezembro de 1896 pronunciou os votos de: Castidade, Pobreza e Obediência. Depois da profissão religiosa, em 1902, nossa Irmã Bakhita foi transferida para a cidade de Schio, região de Vicenza, norte da Itália, em outra Obra da Congregação, e lá permaneceu por 45 anos, onde passou a ser conhecida como "Madre Morena".

3.3 - TERCEIRO SETOR: DE FREITA CARIDOSA À SANTA RECONHECIDA

Irmã Bakhita era atenciosa com todos, sem distinção, desde as crianças do colégio, seus pais, sacerdotes, com suas irmãs religiosas, enfim, sempre levando a todas as palavras de conforto, consolo e amor incondicional a Deus. Em todas as funções que exerceu, sempre colocou seu coração doce e sincero na Igreja, na Sacristia, na portaria ou na cozinha, era tudo para todos, com seu sorriso de anjo. As irmãs estimavam-na pela generosidade, bondade e pelo seu profundo desejo de tornar Jesus conhecido. Bakhita dizia: "Sede boas, amem a Deus, rezai por aqueles que não O conhecem. Se soubésseis que grande graça é conhecer a Deus!".

Quando a Primeira Guerra Mundial eclodiu, se ofereceu para trabalhar no hospital local cuidando de soldados feridos. Já na Segunda Guerra, enquanto as freiras temiam pelos bombardeios aéreos na região, a população dizia: "aqui não irão bombardear, porque temos cá a Madre Negrinha". Curiosamente, nenhuma bomba caiu na cidade. Bakhita sonhava com a conversão do povo africano e, no dia de sua profissão religiosa, rezou: "Ó Senhor, se eu pudesse voar lá longe, entre a minha gente e proclamar a todos, em voz alta, a tua bondade. Oh! Quantas almas eu poderia conquistar para Ti! Entre os primeiros, a minha mãe e o meu Pai, os meus irmãos... e todos, todos os pobres negros da África. Faça, ó Jesus, que também eles te conheçam e te amem!".

A sua humildade, a sua simplicidade e o seu constante sorriso, conquistaram o coração de toda população. Com a idade, chegou a doença longa e dolorosa. Ela continuou a oferecer o seu testemunho de fé, expressando com estas simples palavras, escondidas detrás de um sorriso, a odisseia da sua vida: ‘Vou devagar, passo a passo, porque levo duas grandes malas: numa vão os meus pecados, e na outra, muito mais pesada, os méritos infinitos de Jesus. Quando chegar ao céu, eu abrirei as malas e direi a Deus: "Pai eterno, agora podes julgar". E a São Pedro: "Fecha a porta, porque fico".

No ano de 1947 Bakhita adoeceu, já quase sem forças, em cadeira de rodas, passava horas em oração. Em seus derradeiros dias suas recordações se voltaram para os anos de escravidão e, em delírio, ela gritava: "Por favor, afrouxem os grilhões… eles são tão pesados". Era dia 08 de fevereiro de 1947, nossa Irmã Morena murmurava: "Como estou contente! Nossa Senhora! Nossa 
Senhora!". Nesse mesmo dia, morre Josefina Bakhita. Durante três dias seu corpo ficou exposto e milhares de pessoas foram prestar-lhe a última homenagem. Sua fama de santidade se espalhou rapidamente e todos recorriam ao seu túmulo pedindo sua intercessão.

Em 17 de maio de 1992 foi beatificada, em 1º de outubro de 2000, foi elevada à honra dos altares, declarada "Santa" pelo Papa João II, sendo que o milagre que a levou a ser reconhecida como Santa aconteceu na cidade de Santos, no Brasil. Apenas dez dias após a beatificação de Bakhita, Eva da Costa Onishi, que sofria de diabetes, teve as feridas das pernas curadas. O milagre da cura aconteceu 24 horas depois de Eva apelar à Santa e esfregar o santinho com a imagem de Bakhita nas pernas. O milagre foi comprovado e Bakhita canonizada. Agora, SANTA JOSEFINA BAKHITA. PADROEIRA DO SUDÃO. Assim, essa filha "afortunada" da África, Josefina Bakhita, é honrada e venerada mundo afora como "Aquela" que fez do amor e do perdão a arma para vencer todo o mal, assim como em suas palavras: "Se tivesse hoje a oportunidade de encontrar os mercadores de escravos que me capturaram e até mesmo aqueles que me torturaram, eu ajoelharia e beijaria suas mãos, pois se isto não tivesse acontecido, eu, hoje, não seria cristã e religiosa".

SANTA JOSEFINA BAKHITA, ROGAI POR NÓS!

4 - AGRADECIMENTOS 

Desde já agradecemos o interesse dos compositores e a toda comunidade do carnaval para este enredo e acreditamos que essa linda história pode se tornar a mais bela melodia em oração à nossa JOSEFINA BAKHITA e que suas bênçãos possa permitir que a Faculdade do Samba Barroca Zona Sul alcance o Grupo Especial do carnaval de São Paulo.

A diretoria executiva e a comissão de carnaval dedica este enredo, a toda comunidade da Verde e Rosa que com bastante garra e luta vem trabalhando de forma incessante para que seu pavilhão figure no mais alto palco do Carnaval de nossa cidade e principalmente mantendo suas origens, de uma agremiação de vanguarda e raiz. Pois como nosso próprio Presidente de Honra disse (Borjão): "Nos nascemos e crescemos no meio de gente bamba e por isso que nós somos a Faculdade do Samba - Pode aplaudir que o nosso show vai começar...".

5 - EQUIPE DE TRABALHO

PRESIDENTE: EWERTON RODRIGO RAMOS SAMPAIO (CEBOLINHA)

- IDÉIA ORIGINAL/PESQUISA E ENREDO: WAGNER SILVEIRA (TEÓLOGO)
- DESENVOLVIMENTO/MONTAGEM/TEXTO: MARCÃO (DIRETOR DE CARNAVAL)
- SINOPSE/CRIAÇÃO: ARMANDO BARBOSA (ARTISTA PLÁSTICO E CARNAVALESCO)
- REVISÃO/FORMATAÇÃO: FERNANDO GODÓI (COMISSÃO DE CARNAVAL)

6 - BIBLIOGRAFIA E PESQUISA

- LIVRO: "Bakhita - Mulher, Negra, Escrava, Santa" - Roberto Italo Zanini.

- LIVRO: "Josefina Bakhita - O coração nos martelava no peito" - Roberto Italo Zanini.

- LIVRO: "Santa Bakhita do Sudão" - Susan Helen Wallace

- FILME DOCUMENTÁRIO: "Bakhita - Uma História Maravilhosa" - PAULINAS WEBTV

- FILME: "Bakhita, A Santa" - RAI FICTION - TV Italiana.

Já curtiu a página no Facebook?
Verificação
informe os caracteres da imagem
Voltar